A CLOROQUINA “CUROU UM”, MAS NÃO IMPEDIU A MORTE DE CEM MIL BRASILEIROS