O mais duro recado do coronavírus para a humanidade: corpos têm prazo de validade e cemitérios não passam de lixões