Delegado de MG diz que latão onde estava tocantinense era de oficina